São Paulo
3 anos atrás

Infarto em mulheres pode se tornar mais frequente do que em homens

Além do estresse inerente à inserção feminina no mercado de trabalho, o diabetes seria um dos principais responsáveis por esse fenômeno. Isso porque o impacto da disfunção sobre a saúde cardíaca feminina é ainda mais negativo do que sobre a masculina. Recentemente, a American Heart Association divulgou que as diabéticas do tipo 2 têm o dobro de riscos de apresentar doença cardiovascular do que os homens com a doença. Para piorar, elas tendem a sofrer infarto ou AVC em idade mais precoce, além de terem maior propensão a morrer logo após o primeiro evento. Em contrapartida, conseguem obter mais benefícios, do ponto de vista cardíaco, ao adotar hábitos saudáveis.
ataque-cardiacos-em-mulheres
Recursos modernos
Existem tratamentos de última geração que, além de controlar os níveis de açúcar no sangue, diminuem os riscos associados ao diabetes. É o caso da empagliflozina, o único medicamento de sua classe a comprovar redução de 38% na probabilidade de morte por infarto ou AVC e de 39% de início ou piora de doença renal em pacientes diabéticos. O remédio, da classe dos chamados inibidores de SGLT2, atua inibindo a reabsorção do açúcar pelos rins, garantindo que o excedente seja eliminado a contento.

Franco Notícias

O Franco Notícias é seu jornal online de Franco da Rocha, Caieiras, Francisco Morato, mairiporã, Jundiaí e região, além de conteúdos de saúde, economia, educação, esportes e entretenimento.

Vamos Bater um Papo?